Ao longo do mês de março, você pode acompanhar na página do Facebook do Instituto MAPAA, a história da cachorrinha Branca. Caso não tenha, te dou um breve resumo: a Branca é uma vira-lata extremamente dócil, já com cerca de 10 anos, que foi encontrada a beira da morte, pois alguma pessoa desequilibrada havia a degolado. Como se já não bastasse a vida difícil que levou nas ruas de São Paulo, que a fez perder os dentes da frente, ela ainda teve que passar por essa agressão brutal e inexplicável. Por mais incrível que pareça, Branca sobreviveu, e foi encontrada por uma protetora independente de animais. A história chegou ao  Instituto MAPAA, e foi quando começamos uma campanha na internet para que ela fosse adotada. Você pode estar pensando que “seria muito difícil encontrar alguém disposto a adotar uma cachorra já idosa, sem os dentes, e que passou por um trauma tão absurdo”. Felizmente, todos os pontos negativos da história da Branca, que poderiam dificultar a sua adoção, funcionaram ao seu favor, e após algumas semanas ela foi adotada pela jovem Thaieny Kenis, de 21 anos.

Branca e Thaieny (Foto por Lila Batista)

Thaieny, que já tinha uma husky chamada Nala, de 6 anos, disse que se emocionou com a situação da Branca, e movida por uma vontade de ajudar, ignorou o que a maioria das pessoas consideraria como “complicações” para a adoção da vira-lata. Ao contrário do que o ditado “cachorro velho não aprende truque novo” elucida, a garota nos mostrou também como a Branca está completamente adaptada a sua nova casa. Faz xixi no lugar em que foi ensinada a fazer, é extremamente carinhosa, tranquila, e pouco mudou a rotina de sua nova família. De vez em quando tem umas desavenças com a Nala, mas no geral as duas se dão muito bem e, as comparando, Thaieny sente que Branca é mais carente, muito provavelmente por nunca ter tido um lar em que fosse tratada com cuidado e carinho. Quando perguntada sobre a importância de adotar cachorros de rua, ela afirmou que, por mais que seja um gesto mínimo diante da situação alarmante de cães abandonados vista em nossa cidade, é importante fazer a sua parte, tentar ajudar da forma que puder. Branca agora segue sua nova dona a todo instante, come como se não houvesse amanhã e descansa tranquilamente ao longo do dia.

Branca é só alegria em sua nova casa. (Foto por Lila Batista)

Não podemos nos guiar pela ideia de que pequenas ações não mudam o mundo. Não, talvez adotar um cachorro de rua maltratado não resolva todos os problemas referentes aos maus-tratos e abandono de animais, mas cruzar os braços e não fazer nada é a única certeza que podemos ter de que nada será diferente. Que fique aqui o exemplo de Thaieny, que num ato de extrema bondade, agora provê amor e carinho para um ser vivo que sofreu tanto em sua vida, e que a retribui coma gratidão que só os animais conseguem demonstrar.

Por: Vinícius Primiani