Das vacinas ao cobertor, hoje selecionamos para vocês 15 dicas que irão protegê-los de doenças comuns no período do inverno! Você não gosta de ficar doente, né? Seu pet também não!

 

 

Proteção em cada detalhe:

 

1 – Usar caminhas que tenham algum isolante na base, para evitar que o colchão fique em contato direto com o chão frio. Uma dica é colocar um estrado embaixo.

 

2 – Colocar edredons ou cobertores para o pet se aquecer na caminha.

 

3 – Manter o local onde o animalzinho fica arejado, mas sem vento, protegidos de vento e chuva.

 

4 – Evitar aquecedores de ambiente, pois eles deixam o ar ressecado. Caso seja necessário, uma dica é colocar uma bacia com água no local para manter a umidade.

 

5 – Para os gatos, que gostam de se esconder, uma dica é optar por uma caminha do tipo iglu.

 

6 – Estimular os banhos de sol. Se na sua casa bate sol por uma frestinha da janela, já é o suficiente. Cães e gatos adoram!

 

 

 

Vacinas em dia para evitar doenças:

 

7 – É muito importante manter sempre a carteira de vacinação dos pets em dia, eles ficam com a imunidade baixa durante o inverno.

 

8 – Doenças que lembram a gripe dos humanos podem ser muito graves para o seu pet, como a tosse canis (em cães) e a rinotraqueite (gripe dos gatos).

 

9 – O contágio da gripe dos animais ocorre no contato com outro bichinho doente. Então, fique de olho e evite o contato do seu pet com aqueles animais que você não conheça.

 

10 – Em gatos, os sintomas da gripe são espirros, secreção nasal, ocular e tosse.

 

11 – Em cães, os sintomas da gripe são tosse alta e seca, como se fosse um engasgo, além de febre, apatia e falta de apetite.

 

12 – Caso você perceba esses sintomas em seu pet, o ideal é fazer uma consulta com um veterinário que irá indicar o melhor tratamento.

 

13 – A melhor prevenção para os gatos é a vacina tríplice felina, aplicada em duas doses em um intervalo de 30 dias quando o gato ainda é filhote, e depois com reforço anual.

 

14 – A vacina nos cães não é necessária todos os anos, a não ser que o cão esteja predisposto a doenças respiratórias ou se for participar de feiras ou exposições com outros animais dos quais não se sabe a procedência.

 

15 – Não existe a possibilidade de a gripe do animal contaminar o dono, ou vice-versa.

 

 

Por: Carol Reichert

 

Fontes: clicrbs.com.br | vejasp.abril.com.br